My Tribute

November 29, 2005

Juro que não sei porque comecei ou porque continuei a ir lá, apesar de por vezes me lembrar quando lá estava sentado, que a nossa fase de Lua de Mel já tinha passado à História.
Ora, se pensar como deve ser, lembro-me de ter entrado timidamente à primeira e a segunda e mesmo à terceira vez, pois atravessar aquele corredor ao estilo dos desfiles de moda de Paris, não é, convenhamos, a coisa mais fácil de mundo.
Gostemos ou não, aquela entrada obrigava a tal acto, mas depois de se chegar ao poiso, quer fosse bem ao fundo, junto à mesa de snooker, ou cá mais à frente, bem junto à corrente de ar que acompanhava cada pessoa que entrava, as coisas já começavam a fazer mais sentido, pois já me voltava a lembrar qual a razão de eu voltar sempre lá, depois de aínda ter lá estado na noite anterior.
Raros foram os maus momentos que por lá passei, verdade seja dita, pois mais sumo de laranja, menos sumo de laranja (no início da carreira), mais malibu cola, menos malibu cola (no auge da carreira), mais fino, menos fino (nesta altura da carreira), lembro-me de ter estado com um sorriso nos lábios cerca de 91% do tempo que lá passei (e nem mais 1%!).
Aliás, os restantes 9% foram repartidos da seguinte maneira: a esfregar os olhos ardentes devido ao fumo que lá havia, a ir ao balcão buscar o Blitz ou o Público para ler, a ir ao balcão e pedir ao Capucho para me guardar o capacete da mota, a ir ao balcão e pedir ao King para tirar o Ney Matogrosso que o Capucho tinha posto a tocar, à espera na porta da casa de banho para que o gajo que lá tivesse dentro se despachasse, a ir à casa de banho das mulheres quando a noite já ia longa, o alcoól em grandes doses e quando o gajo da casa de banho dos homens nunca mais se despachava, ou simplesmente a pagar a conta.
Logicamente que com tudo isto olho para trás e vejo que o Jogral foi, ou melhor, é a minha segunda casa (já foi a primeira, em tempos de grande folia…) e que o Capucho comigo foi sempre (e friso bem a palavra sempre) cinco estrelas, aturando alguns momentos piores e outros muitíssimo bons, muito bons mesmo, mas que são todos eles, afinal de contas, as estórias da minha adolescência, a qual poderia quase definir numa só palavra: Jogral; e é por isto e muito mais que me custou ver o que se passou hoje, mas também tenho a certeza que ele se irá erguer das cinzas (literalmente) e reaparecer para ajudar a preencher um pouco mais as nossas vidas, quer se goste muito, quer se goste pouco… mas eu gosto e muito.
Advertisements

Thank’s, Abel.

Mr. Miyagi

November 26, 2005

Faleceu hoje o mítico Mr. Miyagi (Pat Morita), esse grande mestre do Karate Kid ;)

Foi provavelmente um dos filmes que mais devorei na minha infância. Vezes sem conta, tentei reproduzir o pontapé de Karaté mais famoso de sempre, eliminando todos os meus inimigos imaginários! Obrigado pelos momentos de magia, Danielsan!

Um Sorriso

November 26, 2005

Andando por aqui e por acolá, dei com um novo Blog Oureense: Notícias de Ourém. Fico apenas na dúvida se é um Blog Oficial ou Oficioso do dito Jornal. Fica a incerteza.
Continuando. Ao ler o Blog, dei de caras com a notícia da criação de uma Associação chamada “Um Sorriso, um Amigo”, constituido por várias caras conhecidas de Ourém. Creio que é uma atitude muito louvável, e que, embora facilmente planeado em papel, muito difícil de pôr a andar. Tomara que atinjam todos os seus objetivos. A sua página na internet é a seguinte:

www.1sorriso1amigo.net
Que façam Sorrir… e muito.

Imagens do Passado

November 24, 2005

Que belas máquinas! Eram um autêntico sonho de criança na década de 80. Quantas horas não passei a sonhar com estas beldades…? Grandes jogos como o After Burner, Airwolf, Donkey Kong, Double Dragon, e o mítico Ferrari Vermelho do Out Run.
As imagens (de cima para baixo): Commodore Amiga; Amstrad; Spectrum.

Toma lá 4 Malibu’s

November 23, 2005

Enviado por Odontogogo.
Há mais que Malibu Cola na vida.

November 23, 2005

O resultado acabou por servir. Dependemos de nós próprios para passarmos à segunda fase. Mas nunca pensei ver o SLB a jogar da maneira que jogou hoje. Quim, Alcides, Anderson, Luisão, R.Rocha, Petit, Beto, Leo e Nélson: 9 (n-o-v-e) jogadores de cariz defensivo e apenas o N.Gomes e Meio Micolli para atacar. O Koeman nunca quis ganhar o jogo. O SLB parecia o Gil Vicente ou equipa da mesma dimensão a jogar no campo de um grande. Está certo que o resultado nos serviu, mas agora pergunto: não teria o SLB equipa suficiente para empatar ou até ganhar a esta equipa mediana do campeonato francês, jogando como Campeão que é, com o Karyaka, Nuno Assis ou Geovanni? Muito desolador. Há mais do que pontuar no futebol. Há honra. Aínda por cima em frente a milhares de emigrantes Portugueses.